12 C
Lisbon
22 Fevereiro 2019
WRC

Todt sugere ralis em mais do que um país como solução para provas europeias no WRC

Com cada vez mais países a quererem juntar-se ao Mundial de Ralis (WRC) e o espaço de calendário limitado, algumas rondas em solo europeu poderão ter de sair – há, de resto, a promessa de que em 2020 sai pelo menos uma, para entrarem possivelmente os Ralis do Japão e do Quénia.

Perante este cenário, o presidente da FIA, Jean Todt, sugere que cada prova passe por mais de um país quando esses territórios fazem fronteira. Citado pelo Motorsport.com, o dirigente começou por deixar bem vincado que pretende que o WRC visite diversas regiões:

– Quero um campeonato global, pelo que quero ralis na Europa onde a história dos ralis começou – mas também quero ir a todas as partes do mundo: América Latina, Ásia. Sinto-me mal por não termos um rali na China – claramente fizemos alguma tentativa mas não resultou – na Índia, na Indonésia ou na Tailândia. E um país enorme como o Japão, é só uma questão de tempo antes de lá estarmos. É óptimo termos uma grande empresa sul-coreana como a Hyundai, mas quero alguns construtores chineses. Quero voltar a África e estamos a trabalhar nisso, e ao Médio Oriente”.

Ciente que o calendário tem espaço limitado, Todt deixou a sugestão para ultrapassar esse obstáculo: “É o que queremos alcançar mas não podemos ter 20 ralis, precisamos de encontrar critério. Eu quis ter ralis em múltiplos países. Pensei que um rali podia usar dois países. O que desejo nem sempre acontece, mas sinto que devíamos ter pelo menos algum tipo de criatividade com os ralis a cobrirem mais do que um país – isto podia ter ajudado a resolver esta questão do calendário europeu. Falei individualmente com alguns países a sugerir isto”.

De referir que o Rali de Monte Carlo, que se desenrola sobretudo em França, e o Rali da Suécia que tem classificativas na Noruega são exemplos de provas do actual calendário em que são cruzadas fronteiras. Acredita-se que os ralis do Japão e do Quénia possam entrar em 2020 e que as provas europeias sob maior pressão são a Volta à Córsega, o Rali da Alemanha e o Rali de Itália Sardenha.

Créditos da imagem: Jaanus Ree/Red Bull Content Pool

Related posts

Hyundai ciente que não pode ter muitas mais rondas difíceis como a Córsega

Bernardo Matias

Vários pilotos em dificuldades no início do Rali de Monte Carlo

Bernardo Matias

Hayden Paddon: “Vamos tentar tudo para ter um resultado positivo”

Bernardo Matias

Leave a Comment

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More

Privacy & Cookies Policy
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com