13.3 C
Lisbon
20 Novembro 2018
História

HISTÓRIA: O GP do México de 1968

A viver ainda o rescaldo dos Jogos Olimpicos, que tinham acabado uma semana antes, a Cidade do México era o palco da.última prova do campeonato, aquela do qual iria decidir quem levaria o ceptro de campeão desse ano.

Na última prova do campeonato de 1968, três pilotos poderiam alcançar o título mundial: Graham Hill, Jackie Stewart e Dennis Hulme. O líder do campeonato, Hill (39 pontos), no seu Lotus 49, seria campeão caso alcançasse o pódio, e Stewart (36 pontos) não vencesse a corrida. Se o escocês ganhasse a corrida, era o campeão. Ainda tinha um terceiro candidato, o neozelandês Hulme (33 pontos) no seu McLaren. Mas este só poderia revalidar o título se ganhasse, e nenhum dos dois conseguisse pontuar, ou se Hill ficasse abaixo do quarto lugar, por exemplo.

Uma matemática complicada, que só a corrida permitia desvendar. Mas uma coisa era certa: na maioria das chances, bastava a vitória de um deles para se sagrar campeão.

No pelotão, a Lotus inscreveu um terceiro carro, para o local Moisés Solana, para ajudar a equipa a conseguir o campeonato de Construtores. Ele conseguiu ser melhor do que o segundo piloto, Jackie Oliver, e ficou na 11ª posição na grelha, enquanto que Oliver foi 14º. A Honda inscreveu um segundo carro, para o veterano sueco Jo Bonnier, que ficou no final do pelotão, na 18ª posição.

Mas a grande surpresa foi nos treinos, com a pole-position do suiço Jo Siffert, no seu Lotus privado, inscrito por Rob Walker. No segundo posto estava o Ferrari de Chris Amon, e logo a seguir vinha o Lotus de Graham Hill. No quarto lugar estava Denny Hulme, no seu McLaren-Ford. Jackie Stewart era o sétimo da grelha, atrás do terceiro McLaren de Dan Gurney e do Honda de John Surtees. Outro herói local, Pedro Rodriguez, não conseguia mais do que o 12º tempo no seu BRM.

No dia da corrida, um autódromo cheio (mais de cem mil espectadores) aguradavam com ansiedade o desfecho do Mundial de formula 1 de 1968. Na largada, nennhum dos piltoos da frente parte bem, e é Graham Hill que fica com a liderança, arrebatada ainda na primeira volta pelo Honda de John Surtees. Contudo, na volta seguinte, Hill volta à primeira posição, com Stewart no terceiro posto, e Hulme no quinto lugar, atrás de Chris Amon.

Nas voltas seguintes, Surtees atrasa-se, com problemas de motor (acabará por desistir, com sobreaquecimento), e o escocês fica com a segunda posição. Na volta dez, o primeiro dos candidatos ao título desiste; a suspensão do McLaren de Denny Hulme parte-se e tem um acidente, sem consequências.

Entretanto, Siffert, que se tinha atrasado na partida, faz uma corrida de recuperação, e intromete-se na luta pela liderança, e subsequentemente, na luta pelo título. Na volta 22 chega à liderança, e fica por lá, caminhando para uma eventual segunda vitória na temporada. Contudo, um cabo do acelerador parte-se, e o piloto suiço vai às boxes para reparar e voltar à pista, com uma volta de atraso.

Assim sendo, Hill e Stewart voltam para o primeiro e segundo postos, lutando à distância para saber quem levaria a melhor, amboa a uma larga distância de Jack Brabham, que ia na terceira posição. Então, o piloto escocês começa a ter problemas na alimentação da gasolina, que entope, a começa a atrasar-se, sendo ultrapassado na volta 51 por Bruce McLaren e Jack Brabham. Oito voltas depois, Brabham desiste, com um motor partido, e o terceiro classificado era agora o Lotus de Jackie Oliver.

Entretanto, Stewart atrasa-se cada vez mais, e fica até fora dos pontos, na sétima posição. Graham Hill consegue manter o primeiro posto, e é assim que chega ao fim da corrida, dando a Colin Chapman e à Lotus, o merecido título mundial, certamente dedicado a Jim Clark, morto em Abril. McLaren foi o segundo, Oliver estreava-se no pódio, e nos restantes lugares pontuáveis ficaram o mexicano Pedro Rodriguez, o sueco Jo Bonnier, e o suiço Jo Siffert, que ainda fez a volta mais rápida.

E foi assim que terminou o atribulado campeonato de 1968, tão atribulado como o ano que passou.

Related posts

HISTÓRIA: Ayrton Senna desapareceu há 24 anos

Bernardo Matias

HISTÓRIA: O GP de França de 1958

Paulo Teixeira

Morreu Timo Makinen

Paulo Teixeira

Leave a Comment

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More

Privacy & Cookies Policy
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com