15 C
Lisbon
17 Fevereiro 2019
História

HISTÓRIA: O GP do Brasil de 1974

Quinze dias depois de Buenos Aires, máquinas e pilotos estavam em São Paulo para disputar a segundo corrida do campeonato, no circuito de Interlagos cheio para torcer pelo campeão Emerson Fittipaldi, agora sobre as cores da McLaren.

Desde então, as coisas tinham andado normalmente, excepto com a Shadow, que tiveram que mandar para o Brasil um novo chassis, já que o tripulado por Peter Revson tinha ficado com estragos irreparáveis. Mandaram buscar outro chassis para o Brasil, mas ficou algum tempo empatado na Alfândega devido a problemas burocráticos. Contudo, foi libertado a tempo da corrida.

Na qualificação, Fittipaldi afinou perfeitamente o seu carro e conseguiu a pole-position, à frente do Brabham de Carlos Reutmann. O terceiro lugar foi para o Ferrari de Niki Lauda, que partia ao lado de Ronnie Peterson, no seu Lotus-Ford. A terceira fila era ocupada pelo segundo Lótus de Jacky Ickx e o Shadow de Peter Revson. Na quarta fila estava o terceiro McLaren de Mike Hailwood e o segundo Ferrari de Clay Regazzoni, e a fechar o “top ten”, o Iso-Marlboro de Arturo Merzário e o Surtees-Ford de Jochen Mass. José Carlos Pace, noutro Surtees, era 12º na grelha.

O dia da corrida aconteceu sob calor e alguma falta de civismo de alguns espectadores, que atiraram garrafas de vidro ao chão, para tentar incomodar os adversários. A partida é retardada um pouco, mas quando acontece, Reutemann engata melhor e passa para a liderança, com Peterson e Fittipaldi logo atrás. Contudo, o calor que se fazia sentir nesse dia degradou mais rapidamente os pneus do Brabham do argentino, e cedo foi apanhado pelos seus perseguidores.

A partir dali, os ex-companheiros de equipa batalharam um com o outro pela liderança da corrida, até que na volta 16, o sueco sofre um furo, eventualmente causado por algum vidrinho resultado das garrafas atiradas à pista, e vai para as boxes, regressando na nona posição. Agora, o segundo classificado era o Ferrari de Clay Regazzoni, seguido por Jacky Ickx.

E tudo continuaria assim até à volta 31, quando os céus de São Paulo Fazem das suas: uma tempestade aparece na zona, e a chuva faz com que o asfalto fique molhado, logo, demasiado perigoso para continuar a corrida, e a nove voltas do fim, é mostrada a bandeira vermelha, dando indicação do final da corrida. Fittipaldi ganhava assim a sua primeira vitória do ano, a primeira com a McLaren, com Regazzoni em segundo, mostrando que a Ferrari tinha ressuscitado, e que os resultados da Argentina não tinham sido sorte. A fechar o pódio ficava Jacky Ickx, no seu Lotus, e nos restantes lugares pontuáveis ficariam o Surtees de José Carlos Pace, o terceiro McLaren de Mike Hailwood e o Lotus de Ronnie Peterson.

Related posts

HISTÓRIA: O GP de França de 1968

Redacção

BIOGRAFIAS: Era uma vez, Enzo Ferrari (parte 3)

Redacção

HISTÓRIA: Os 40 anos do acidente de David Purley

Redacção

Leave a Comment

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More

Privacy & Cookies Policy
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com