Formula 1 História

HISTÓRIA: O GP de Espanha de 1978

Duas semanas depois da entrada em cena do Lotus 79, em que venceu convincentemente, através de Mario Andretti, na corrida anterior, no circuito belga de Zolder, máquinas e pilotos estavam nas quentes paragens espanholas do apertado circuito de Jarama, para saber se o carro continuaria ou não, o seu desempenho portentoso perante a concorrência.

Desta vez, a Lotus já tinha dois modelos 79 para Andretti e o seu companheiro de equipa, Ronnie Peterson. A grelha tinha 29 inscritos, o que implicaria uma pré-qualificação. Quem ficou com a fava foi o Theodore de Keke Rosberg. Na qualificação, dos 28 participantes, quatro juntaram-se à multidão, para assistir ao Grande Prémio da bancada: os McLaren privados do local Emilio de Viliota e de Brett Lunger, o ATS de Alberto Colombo e Artur Merzário, no seu carro pessoal.

No final das duas sessões de qualificação, a primeira linha era toda da Lotus: Mário Andretti era melhor que Ronnie Peterson. Carlos Reutemann ficou com o terceiro posto, ao volante da sua Ferrari, na frente de James Hunt, no seu McLaren. Gilles Villeneuve era o quinto, no segundo Ferrari, com Niki Lauda a ser sexto. A quarta fila tinha o segundo Brabham-Alfa Romeo de John Watson e o Arrows de Ricciardo Patrese, e a fechar o “top ten” estavam o Wolf de Jody Scheckter e o Ligier-Matra de Jacques Laffite.

Na partida, os Lotus são surpreendidos pelo McLaren de Hunt, que lidera nas primeiras cinco voltas da corrida, sempre pressionado pelo carro negro e dourado de Andretti, já que Peterson se atrasou e circulava no nono lugar. Na sexta volta, o piloto americano finalmente ultrapassa o inglês da McLaren e afasta-se do resto do pelotão.

Entretanto, Peterson faz uma corrida de recuperação, primeiro ultrapassando o Wolf de Scheckter, e depois aproveitando os atrasos de Villeneuve e a desistência de Patrese para rolas na quinta posição após a volta 29, quando sobe mais um lugar com a ida de Reutemann às boxes, para colocar pneus novos.

Estando nessa posição, batalhava com o Ligier de Jacques Laffite e o Brabham de John Watson pelo terceiro lugar, quando o acaso fez com que o inglês se atrapalhasse com o trânsito, e ambos os pilotos ultrapassaram-no, na volta 35. Uma volta mais tarde, o sueco sobe para terceiro, aproveitando a oportunidade para passar o piloto francês. Parte então à conquista do segundo lugar, que ainda pertencia a Hunt, e à volta 53, apanha-o. O inglês, pouco tempo depois, é ultrapassado por Laffite e por Lauda, caindo para o quinto lugar, mas na volta seguinte, quando o motor de Lauda explode, recupera uma posição.

Contudo, é sol de pouca dura: Hunt é ultrapassado pelo Wolf de Scheckter e pelo Brabham de Watson, e fica na sexta posição, lugar que fica até ao final da corrida.

No final, Andretti dava à Lotus a segunda vitória consecutiva para o modelo 79, com Peterson no segundo posto. Jacques Laffite ficava com o lugar mais baixo do pódio com o seu Ligier-Matra, e nos restantes lugares pontuáveis ficaram o Wolf de Jody Scheckter, o Brabham-Alfa de John Watson e o McLaren de James Hunt.

Related posts

Hamilton: “Estas experiências têm-nos unido mais do que em qualquer outro ano”

Bernardo Matias

Vasseur realça bons progressos da Sauber em 2018

Bernardo Matias

Alonso desiludido com o primeiro dia de testes

Bernardo Matias

Leave a Comment

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More

Privacy & Cookies Policy
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Login

X

Register