14.8 C
Lisbon
20 Novembro 2018
Formula 1 História

HISTÓRIA: O GP da Hungria de 1993

Quando a Formula 1 chega à Hungria, o Verão ia alto… e a “silly-season” também! Os rumores daquele momento eram a possivel ida de Ayrton Senna para a Williams, a troco de um contrato chorudo, e possivelmente com Alain Prost a gozar uma reforma dourada… enquanto isso, na Benetton, Flavio Briatore disse a Riccardo Patrese que estava liberto de quaisquer compromissos a partir do final do ano, e duas equipas em dificuldades, a Minardi e a Dallara, discutiam uma possivel fusão entre eles.

Entretanto, duas novas equipas eram anunciadas para 1994: a Simtek, do engenheiro Nick Wirth, que trabalhara para a Benetton, e a Pacific, que tinha algum sucesso na Formula 3000. Iriam lutar contra um pelotão algo cheio, mas esperavam ter a sorte de principiante…

Quem também andava feliz por esta altura eram a Ligier e a Lotus. no primeiro caso era que tinham conseguido a manutenção do contrato com a Renault por mais uma época, enquanto que a Lotus tinha nos motores Mugen-Honda, que estavam na Footwork-Arrows, uma tabua de salvação por mais uns tempos, pensavam eles…

Passando dos rumores para a pista, os Williams dominavam no Hungaroring, com Alain Prost na frente de Damon Hill, monopolizando a primeira fila da grelha de partida. Na segunda fila, Michael Schumacher aproveitava a boa fora da Benetton e conseguia o terceiro posto na grelha, tendo a seu lado o McLaren de Ayrton Senna, que não andava muito contente com o rendimento do carro, sobretudo em termos aerodinâmicos. Riccardo Patrese foi quinto na grelha, e tinha a seu lado o Ferrari de Gerhard Berger. O Minardi de Pierluigi Martini causava furor na grelha, ao ser sétimo, com o Ferrari de Jean Alesi em oitavo, e os dois Footwork, de Derek Warwick e Aguri Suzuki, a fechar o “top ten”.

A corrida começou… na volta de aquecimento. O motor de Alain Prost cala-se na volta de formação, e ele teve que largar no final da grelha. Assim sendo, seria Damon Hill o primeiro à partida do GP húngaro. Depois do inglês vinha Senna, Berger, Patrese e Schumacher, que tinha tido uma má partida e caira na classificação. Hill ia-se embora calmamente de Senna, que por sua vez se afastava de Berger, que devido à pouca potência do seu Ferrari, aguentava o resto do pelotão consigo…

Porém, Senna não ia ficar muito tempo no segundo lugar. Na volta 18, um problema electrónico faz parar definitivamente o seu carro, ao mesmo tempo que Alain Prost, vindo de trás, chegava à zona dos pontos, no quarto lugar, depois dos dois Benetton. Contudo, pouco tempo depois, a sua asa traseira começava a vibrar violentamente e a equipa decidiu chamá-lo às boxes, para poder efectuar reparações. A corrida dele acabou ali, pois quando voltou para a pista, tinha sete voltas de atraso…

Assim sendo, Hill ia calmamente a caminho da sua primeira vitória, com Schumacher e Patrese logo a seguir, a quase trinta segundos. Sem Prost, Berger recuperava o quarto posto, enquanto que Jean Alesi tinha desistido na volta 22, depois de um desentendimento com o brasileiro da Minardi, Christian Fittipaldi.

Na volta 26, depois do alemão ter parado para trocar de pneus, o motor de Schumacher cala-se e ele tem que abandonar a corrida, dando de bandeja o seu segundo lugar ao seu veterano companheiro. As coisas mantêm-se assim até ao final, com Alain Prost a fazer a volta mais rápida (não tinha nada a paerder…), e Damon Hill a comemorar a sua primeira vitória na sua carreira. Pela primeira vez na história da Formula 1, o filho de um campeão mundial era o vencedor de uma corrida…

Nos restantes lugares do pódio ficavam o Patrese e Berger. Para o italiano, aquele viria a ser o seu último pódio da carreira, e para o austriaco, aquele iria ser o unico pódio que a Ferrari iria ganhar naquele ano. Nos restantes lugares pontuavias ficavam o Footwork de Derek Warwick, o Ligier-Renault de Martin Brundle e o Sauber de Karl Wendlinger.

Related posts

Marc Gené acredita que 2018 pode ser “o ano de Vettel”

Bernardo Matias

Nico Rosberg na frente na 2ª sessão de Treinos Livres

Redacção

Mercedes negoceia “contrato de longo termo” com Hamilton

Bernardo Matias

Leave a Comment

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More

Privacy & Cookies Policy
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com