Alain Prost descarta um eventual regresso dos motores aspirados à Fórmula 1, considerando que os construtores nunca irão querer um regresso a propulsores na linha dos antigos V8 ou V10. A questão da futura unidade motriz a introduzir em 2021 já tem sido discutida ao longo dos últimos meses, podendo eventualmente passar por um V6 biturbo híbridos menos complexo do que os actuais equipamentos.

O consultor da Renault e ex-piloto Alain Prost referiu ao site Crash.net que o regresso a motores semelhantes aos antigos V8 é ‘carta fora do baralho’, explicando:

– Da forma como eles estão a pensar agora, não há construtores que gostassem de voltar aos motores aspirados. Gostariam de ter motores que pelo menos não sejam tão complicados como os actuais, mas mantendo a electricidade envolvida de forma diferente, talvez usando-a em coisas diferentes. Não gostariam de voltar atrás, o que faz sentido”.

Sobre o crescente interesse dos construtores na Fórmula E, Prost acredita num caminho a par entre o campeonato de monolugares eléctricos e a F1: “A F1 é o pináculo da tecnologia. Talvez possas mudar as regras por vezes e usares tecnologia diferente. Se um construtor vai fazer carros de estrada diferentes, por que não estaria na F1 e na Fórmula E ao mesmo tempo? Faz sentido. Quando és uma empresa global tens uma forma diferente de marketing ou de vender os produtos. Se estiveres em áreas diferentes, melhor”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here